A santidade franciscana “de cor”: da Sicília às irmandades de pretos nas colônias ibéricas das Américas

  • Alvaci Mendes da Luz
Palavras-chave: Santidade negra; Franciscanos sicilianos; Irmandades de pretos; Franciscanismo no Brasil; São Benedito.

Resumo

A ilha da Sicília, hoje pertencente ao território italiano, foi ao longo dos séculos XV e XVI palco de guerras entre cristãos e muçulmanos, no período em que pertenceu ao domínio espanhol da casa de Aragão e viu aportar em suas costas diversos escravizados trazidos do território africano. A região, no mesmo período, viu também despontarem nos conventos franciscanos os primeiros modelos negros de santidade, que tinham como características comuns a relação com a escravidão, a origem “etíope”, a cor da pele negra, a simplicidade e o eremitismo franciscano. Dentre eles o que ficou mais conhecido nas Américas foi São Benedito de Palermo. Os frades franciscanos nas colônias ibéricas, tiveram papel de destaque no incentivo devocional a este santo, na implantação de irmandades de pretos em seus conventos e na divulgação dos modelos negros de santidade voltados à catequese da população “de cor”.

Biografia do Autor

Alvaci Mendes da Luz

Doutorando em História pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP/SP). Mestre em História pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo – aluno bolsista CAPES - (PUC/SP). Bacharel em Teologia pelo Instituto Teológico Franciscano de Petrópolis (ITF/RJ). Licenciado em Filosofia pela Faculdade de Filosofia São Boaventura (FAE/PR). Atualmente é pesquisador no grupo de pesquisa “Estudos da Paisagem” da Universidade Federal de Alagoas (FAU-UFAL), no grupo de pesquisa “Rastros: História, Memória e Educação” da Universidade São Francisco (USF/SP) e faz parte da Rede Internacional de Estudos Franciscanos no Brasil. Estuda a presença dos Frades Menores durante os períodos colonial e imperial na colônia portuguesa das Américas, particularmente na região Sudeste, bem como as irmandades de pretos dedicadas a São Benedito e instaladas originalmente em Conventos Franciscanos. Atua no CDAPH (Centro de Documentação e Apoio a Pesquisa em História da Educação) da Universidade São Francisco.

Referências

ALVES, J. São Benedito: novena e biografia. 3. ed. São Paulo: Paulinas, 2011.
CAVALCANTI FILHO, Ivan. São Benedito e sua devoção nos conventos franciscanos do Nordeste colonial. Uma trajetória ascensional. Arquitextos, São Paulo, n. 238. 4 mar. 2020. Disponível em: . Acesso em: 20 abr. 2021.
CONCEIÇÃO, Frei Apolinário da. Flor peregrina por preta ou nova maravilha da graça descoberta na prodigiosa vida de S. Benedicto de S. Philadelfio. Lisboa: Offc. Pinheiriense, 1744.
FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Novo dicionário Aurélio da língua portuguesa. 3. ed. Curitiba: Positivo, 2004.
FIELD, Sean L. Ideais franciscanos e a família real da França (1226-1328). In: ROBSON, Michael J. B. (Org.). Francisco de Assis: história e herança. Aparecida: Santuário, 2015. p. 217-232.
FIUME, Giovanna. Benedetto il Moro, il santo schiavo. In: QUILES GARCÍA, Fernando et al (Eds.). A la luz de Roma: santos y santidad en el barroco iberoamericano. Sevilla, Roma: EnredARS, Roma Tre-Press, 2020. p. 149-172.
______. Benedetto il Moro dalla Sicilia al Nuovo mondo. In: COLOMBO, Emanuele et al (Orgs.). Schiavitù del corpo e schiavitù dell’anima: Chiesa, potere politico e schiavitù tra Atlantico e Mediterraneo (sec. XVI-XVIII). Milano: Biblioteca Ambrosiana, 2018. p. 73-114.
______. Antônio etíope e Benedito, o mouro: o escravinho santo e o preto eremita. Revista Afro-Ásia, Salvador, n. 40, p. 51-104, 2009.
ODULFO, Frei. São Benedito, o Preto, e seu culto no Brasil. Revista Eclesiástica Brasileira, Petrópolis, v. 1, p. 825-831, 1941.
OLIVEIRA, Anderson José Machado de. Santos pardos e pretos na América portuguesa: catolicismo, escravidão, mestiçagens e hierarquias de cor. Studia Historica. Historia Moderna, Salamanca, v. 38, n. 1, p. 65-93, 2016.
PAZZELLI, Raffaele. São Francisco e a Ordem Terceira: o movimento penitencial pré-franciscano e franciscano. Santo André: Mensageiro de Santo Antônio, 2009.
QUINTÃO, Antônia Aparecida. Irmandades negras: outro espaço de luta e resistência (1870-1890). São Paulo: Annablume, Fapesp, 2002.
_____. Rosários dos pretos, “São Benedito de Quissama”: irmandades e devoções negras no mundo Atlântico (Portugal e Angola, século XVIII). Studia Historica. Historia Moderna, Salamanca, v. 38, n. 1, p. 123-151, 2016b.
RÖWER, Frei Basílio. Páginas de história franciscana no Brasil: esboço histórico e documentado de todos os Conventos e Hospícios fundados pelos Religiosos franciscanos da Província da Imaculada Conceição do Sul do Brasil, desde 1591 a 1758, e das Aldeias de Índios administradas pelos mesmos Religiosos desde 1692 a 1803 (com estampas). Petrópolis: Vozes, 1957.
SANGENIS, Luiz Fernando Conde. Franciscanos no Brasil: protagonismos na educação, na história e na política. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2019.
TEIXEIRA, Vítor Gomes. Fr. João da Póvoa e o movimento da observância franciscana portuguesa entre 1447 e 1517. Lusitania Sacra, Lisboa, n. 17, p. 227-254, 2005.
VIANA, Larissa. O idioma da mestiçagem: as irmandades de pardos na América Portuguesa. Campinas: Unicamp, 2007.
WILLEKE, Venâncio. Missões franciscanas no Brasil (1500-1975). Petrópolis: Vozes, 1974.
Publicado
17-05-2022